bio

 

Tchelo nasceu na cidade de São Paulo, onde vive e trabalha. Graduado em Comunicação Social, em 2000 cursou o Post Experience Programme in Visual Arts no Royal College of Art, em Londres.

Em 2015 apresentou a individual Princípia em São Paulo, premiada no 19º Cultura Inglesa Festival, e ganhou o prêmio aquisição na XVIII Bienal de Cerveira, em Portugal. 

 

Entre as exposições coletivas que o artista participou destacam-se: Abre Alas 12, galeria A Gentil Carioca, Rio de Janeiro (2016); Contraprova, Paço das Artes, São Paulo (2015); Primeira, WARM Galeria, São Paulo (2015); In-Sonora VIII – Mostra Bienal Internacional de Arte Sonora, Museu Reina Sofia, Madri, Espanha (2014); The Knowledge within a Line, Pinta London (Earls Court Exhibition Centre), Londres, Inglaterra (2014); Um Jardim na Central, Central Galeria, São Paulo (2014); 39° SARP, Museu de Arte de Ribeirão Preto / MARP, Ribeirão Preto (2014).

 

 

texto do artista

A pesquisa é direcionada à invenção de regras e procedimentos para produção artística por meio de jogos ou sistemas que determinam a forma que as obras tomam.

 

Reconheço os processos de deslocamento, movimento, evolução e transformação como comportamentos, condições e experiências inerentes à matéria e, portanto, ao corpo. Entendo também que a presença da linha, seja ela visual ou imaginária, é indissociável da maneira como percebemos e memorizamos a forma e o conteúdo do mundo à nossa volta.

 

Elemento puro que em sua simplicidade pode alcançar significados por vezes antagônicos, a linha pode unir ou dividir, pode ser fronteira ou caminho, margem ou passagem, unidade ou sequência, desenho ou palavra, corpo, espaço ou tempo. Com essa variedade temática exploro as possibilidades dos diferentes meios das artes visuais usando da repetição, do acúmulo, do consumo, desagregação e reconfiguração de matérias e materiais.

 

Em alguns de meus trabalhos queimo a madeira para transformá-la em uma ferramenta construtora de instalações e desenhos. Assim o carvão, matéria importante na história da arte, deixa de ser apenas um produto usado para marcar uma imagem para se tornar parte integrante indispensável a algumas de minhas obras.

bio

 

Tchelo was Born in São Paulo, Brazil, where he has graduated in Social Communication. In 2000, he attended the Post Experience Programme in Visual Arts at the Royal College of Art, in London.

 

In 2015 he presented the solo exhibition Princípia in São Paulo, awarded at the 19º Cultura Inglesa Festival, and was awarded at the XVIII Bienal de Cerveira, in Portugal.

 

Among the several group exhibitions that the artist has participated we can highlight: Abre Alas 12, A Gentil Carioca gallery, Rio de Janeiro, Brazil (2016); Contraprova, Paço das Artes, São Paulo, Brazil (2015); Primeira, WARM gallery, São Paulo, Brazil (2015); In-Sonora VIII – Internacional Sound and Interactive Art Show, Reina Sofia Museum, Madrid, Spain (2014); The Knowledge within a Line, Pinta London (Earls Court Exhibition Centre), London, UK (2014); Um Jardim na Central, Central gallery, São Paulo, Brazil (2014); 39° SARP, Museu de Arte de Ribeirão Preto / MARP, Ribeirão Preto (2014).

 

 

artist’s text

The research is directed to the invention of rules and procedures for artistic production through self-proposed games or systems that determine the form the artworks take.

I understand movement, evolution and transformation as behaviors, conditions and experiences inherent to matter and, therefore, the body. I also believe that the presence of the line, either visual or imaginary, is inseparable from the way we perceive and memorize form and content of the world around us.

A pure element that in its simplicity can reach sometimes antagonistic meanings, the line can unite or divide, may be border or path, margin or pass, unity or sequence, design or word, body, space or time. With this thematic variety I explore the possibilities of the different visual arts media using repetition, accumulation, consumption, and reconfiguration of matters and materials.

In some of my work I burn timber to turn it into a construction tool for installations and drawings. And so, the charcoal, an important matter in art history, is no longer just a product made to trace an image, but becomes an integrant and indispensable part in some of my artworks.